Discografia || As discografias de bandas e músicos do "boom"


SINGLE
Capa Contracapa


A. Puto de rua (Pedro Lima/Horácio catarino)
B. Ela é tua (Pedro Lima)


Sete 995
Editora: Rotação/Edições Rossil
Ano: 1981
Captação: RT2 - Jorge Barata
Mistura: Moreno Pinto e Opinião Pública
Produção: António Manuel Ribeiro,
António Sérgio e Opinião Pública
Imagens: "Rotação" - Ana Cristina B. P.
Capa e slides: Jean Jacques




ÁLBUM
Capa
Capa de No Sul da Europa
(ver ficha no museu
aqui)



A banda
____
Carlos Estrela
Voz, guitarra ritmo

Pedro Lima
Guitarra solo, guitarra acústica de 12 cordas, coros

Luís Fialho
Guitarra baixo, teclas

Carlos Baltasar
Bateria



 




Opinião Pública
Putos de rua


© António Luís Cardoso [2009]


Os Opinião Pública são hoje vistos como referência do powerpop, movimento pós-punk, e enquanto banda emergente do "boom", foi aclamada pelos críticos, e estranhamente eclipsada por vontade pública, leia-se dos ouvintes.

Um momento decisivo na carreira dos Opinião Pública terá sido a boa prestação no concurso Só Rock, em Coimbra. Não ganharam (o vencedor foi o grupo Alarme), mas foi-lhes permitido um contrato discográfico com a editora subsidiária da Rossil, a Rotação.

É então que gravam o single "Puto de rua", em 1981, single com alguma rodagem nas rádios e que, volvidos estes anos todos, se vê, subitamente regressar e com carácter internacional, ao ser incluído na colectânea PowerPearls.

À data,o sucesso permite-lhes, também, dar vários concertos, boa parte dos quais resultantes das iniciativas do GRR - Grupos Rock Reunidos. Como bem lembra Aristides Duarte, sendo os UHF a banda mais mediática desse projecto, eram também os mais solicitados, levando os demais para as primeiras partes.

Consolida-se, entretanto, a ideia de António Manuel Ribeiro produzir o álbum de estreia dos Opinião Pública, depois de, com António Sérgio e a própria banda, já ter estado ligado à produção do single.

Esta opção influencia de modo claro o resultado do disco, de seu nome "No Sul da Europa", o qual, a espaços regista bem o cunho do vocalista dos UHF, nomeadamente no estilo do cantor dos Opinião Pública. Não que o resultado geral fique, de modo algum, marcado pela negativa.

Embora mais suavizados, tendo em conta a energia inicial do single, os Opinião Pública encontram no formato de longa duração, a oportunidade de deixar um registo notável quanto à qualidade das letras e, igualmente, quanto a um som forte e coerente. De destacar as guitarras e um baixo seguríssimo.



A discografia é curta, resumindo-se nos dois registos apontados e, para tal, terá concorrido a pouca promoção e capacidade de intervenção da editora. Mas, sobretudo esse rebentar de balão que se deu com o fim do "boom" e o alheamento de editoras, rádios e, finalmente, do público.


________


Bibliografia / Links:

Memórias do Rock Português, ed. autor, 3.ª, 2008, pp. 94-95.

Hoje há punk-rock no liceu

Música Portuguesa - Anos 80

museudobooom@gmail.com